XepaCult – Mostra de Gastronomia de Tradição pelo Consumo Consciente retoma suas atividades neste sábado (12/05), no espaço Maumau (Rua Nicarágua, nº. 173, Espinheiro, Recife/PE), com as mestras cozinheiras Priscila Maria Silva Barros e Ivaniceia dos Santos Silva, do Povo Indígena Pankará, com aldeias nas Serras do Arapuá e da Cacaria (municípios de Belém do São Francisco, Carnaubeira da Penha, Itacuruba, Floresta, Petrolândia e Tacaratu).
A dupla de mestras cozinheiras irá preparar pratos tradicionais com ingredientes locais e a xepa da feira de orgânicos das Graças. As receitas não são revelados antes do evento, estimulando a curiosidade do público, que poderá degustar os sabores da cozinha de tradição indígena, conforme os princípios do movimento slow food que defende sociobiodiversidade alimentar e a valorização da agricultura familiar, prezando pela comida de verdade, boa, limpa e justa para todos.
Enquanto as panelas de barro estão no fogo, é possível conferir a exposição fotográfica “A delicadeza dos sabores”, de Luciana Ourique, e a apresentação musical “O som do barro” com Mestre Nado e seu grupo. O evento começa às 13h. A entrada e a degustação gastronômica são gratuitas.
O projeto XepaCult é realizado pela produtora, pesquisadora e cozinheira Mônica Jácome e tem o incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, por meio dos recursos Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura).
Na exposição “A delicadeza dos sabores”, a fotógrafa Luciana Ourique apresenta uma série de imagens de gastronomia, mostrando o encanto pelos detalhes e a delicadeza de texturas, cores e formas dos alimentos. A sutileza da luz que enaltece os insumos é o que mais atrai na série de imagens apresentadas.
Durante o evento, a música fica por conta do músico e artesão Mestre Nado, que canta e toca instrumentos artesanais feitos de barro ao lado dos percussionistas Sara e Micael Cordeiro (filhos do mestre) e Fábio Bacalhau. O repertório da apresentação “O Som do Barro” é diversificado com samba-canção, baião, ciranda,coco, valsa e bolero. Mestre Nado ainda conta história sobre sua trajetória como músico, mestre oleiro e artesão.
PROJETO - A proposta XepaCult é estimular o consumo consciente, a partir da valorização do patrimônio gastronômico de comunidades quilombolas e povos indígenas de Pernambuco. Ao cozinhar com ingredientes locais e com a xepa da feira de orgânicos, o projeto traz um alerta sobre a importância da agroecologia e o combate ao desperdício de alimentos. De acordo com Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) um terço de todo alimento produzido no mundo é desperdiçado a cada ano.
A XepaCult teve início em agosto deste ano de 2017. A cada evento, duas mestras cozinheiras quilombolas ou indígenas preparam pratos tradicionais, utilizando ingredientes locais e a xepa da feira de orgânicos. Em 2017, participaram da XepaCult mestras cozinheiras dos Quilombos Onze Negras (Cabo de Santo Agostinho), Engenho Siqueira (Rio Formoso), Conceição das Crioulas (Salgueiro) e dos povos indígenas Pankararu (Tacaratu) e Xukuru (Pesqueira). As próximas edições acontecem nos dias 09 de junho e 14 de julho, correspondentes ao segundo sábado do mês.
Sobre Mônica Jácome
Mestranda em Memória Social e Patrimônio Cultura na UNIRIO (2016-2017) com o projeto “Pratos de Resistência: contribuições ao estudo do patrimônio gastronômico de Pernambuco”. Autora do livro “Cardápio de Histórias – Memórias e Receitas de um grupo de mulheres da Zona da Mata de Pernambuco”. Integrante da 1ª turma de Eco-Gastronomia da Faculdade Arthur de Sá Erp (FASE), de Petrópolis/RJ (2014). Aluna de disciplinas isoladas dos cursos de Chef de Cozinha (2012 – 2013) e de Padaria-Confeitaria (2013 -2014) do Senac-Rio. Integrante da Rede Internacional Slow-Food, desde 2014. Reside e trabalha há mais de 30 anos em Pernambuco, atuando como educadora popular e produtora cultural elaborando, produzindo e coordenando projetos culturais com jovens e mulheres, do meio rural e do meio urbano.

Sobre Luciana Ourique
Jornalista e fotógrafa, Luciana Ourique se especializou em fotografia de gastronomia, trabalho pelo qual tem grande paixão e curiosidade. Colaborou com a Revista Engenho de Gastronomia, Festival Restaurante Week, e fotografa para diversos restaurantes e hotéis. Na área de produção cultural, realiza o Festival de Arte no Parque, exposições e cursos de fotografia. Exerceu a função de Editora de Fotografia no jornal Folha de Pernambuco por 12 anos. Como uma profissional versátil, Luciana trabalhou para diversos jornais e revistas, entre eles Jornal do Commercio, Revistas Brasileiros, IstoÉ e Continente.

Serviço
XepaCult – Mostra de Gastronomia de Tradição pelo Consumo Consciente
Degustação gastronômica, apresentação musical com Mestre Nado e abertura da exposição fotográfica “A delicadeza dos sabores”, de Luciana Ourique.

Quando: 12 de maio (sábado), das 13h às 17h
Onde: Maumau – Rua Nicarágua, 173, Espinheiro, Recife – Pernambuco.

Entrada e degustação gratuitas

0 comentários:

Postar um comentário

PARCEIROS

FALE CONOSCO

Nome

E-mail *

Mensagem *

VARAL DE POESIA

Desertos medonhos.
Caminhos distantes.
O bulício do antes.
Queimando na alma.
Estradas penosas.
Léguas cansativas.
E as mágoas vivas.
Tirando-me a calma.

Os pés já cansados .
Pela caminhada.
Em busca do nada.
Só sinto o vazio.
De nada valeu.
Meu nobre caminho.
Me sinto sozinho.
Nas noites de frio.

O tempo mesquinho.
Me fez covardia.
Me trouxe agonia.
Enquanto eu brincava.
Roubou minha face.
Tirando o vigor.
Matando uma flor.
Que desabrochava.

Findei como barco.
Que vaga sozinho.
Em redemoinho.
Longe da partida.
Em ondas bravias.
Me vejo já morto.
Sem cais e sem porto.
Nos mares da vida.

Foram tantos sonhos .
E tanta esperança.
Um brincar de criança.
Que tem liberdade.
E o tempo covarde.
Tirou meu viver.
Levou meu prazer.
Me trouxe saudade.

Pedidos de paz.
Que foram em vão.
E o meu coração.
Vagando a esmo.
Guerra sem fim.
E tantas porfias.
Que nas agonias.
Só tenho eu mesmo.

Me calo por fim.
Pelas amarguras.
E pelas torturas.
Do meu desprazer.
A ti meu deus.
Eu tenho amizade.
Mas tua vontade .
Não posso entender.

Neném de Santa.
São José do Egito-PE

---------- CONHEÇA O NOSSO PROJETO! ---------

PALAVRA DO ARTICULADOR

Eis que surge um sopro de esperança além do horizonte. A face da juventude se enche de alegria e vigor. O que era apenas utopia, agora começa a dar seus primeiros sinais de um sonho possível. As possibilidades surgem. O verde renasce no chão ressequido e, de repente, a esperança pinta o quadro do tempo.
O Movimento “Por Mais Cultura” se torna um dos diversos sinais da esperança. É como o vento que impulsiona o moinho a jorrar água para tantas pessoas. É um grupo da diversidade: diversos sons, diversas cores, diversas vozes que se somam numa só voz. Um grande quadro onde todos colocam suas digitais como forma de protocolar os seus clamores e assinar um grito entalado na garganta da juventude brasileira. É um grupo que grita e incomoda quando se sente incomodado. É um grupo que diz “não” diante da demanda do “sim” no mundo moderno. É um grupo de jovens protagonistas do seu próprio tempo.
Um mito nos diz que não se deve falar de política, religião e futebol. Mas porque não? Por que não declarar sua opinião diante das injustiças políticas? Por que não desconstruir tradições, dogmas e imposições? Por que temos que torcer quando não há razão para quê? A juventude deve ser o grande diferencial na mudança social de um país. A força motora pensante e praticante. Os caras pintadas de antes são caras novas hoje, mas que gritam contra a mesma máquina injusta.

Surge um novo sopro... é a JUVENTUDE despertando!

Felipe Júnior
movimentopmc@gmail.com

TV POR MAIS CULTURA

PRA PENSAR...

"Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar."

Cássia Eller

POSTAGENS

NAS VEIAS DA POESIA

Rei é rei, nunca perde a majestade,
Ele tem do Nordeste a sua marca,
A sanfona fez dele esse monarca
Apesar de ser simples de verdade,
O aboio estridente na cidade
Como um grande trovão se ecoava,
Em seu peito insuflado, transbordava
Uma enchente de paz, luz e amor...
Em um leito, sentindo muita dor
Ao invés de gemer, ele aboiava.

Gênio é gênio, até mesmo no sofrer,
Entre os gênios, um gênio que não vejo,
Que mostrou-se um simples sertanejo,
Até mesmo bem perto de morrer
O que os médicos podiam, ali fazer
Se nem mesmo a morfina adiantava?
Mas somente um aboio aliviava
O sofrer do doente tocador...
Em um leito, sentindo muita dor
Ao invés de gemer, ele aboiava.

Foi dos astros daqui, o maior astro
Mas da dor dos mortais não foi isento,
Pernambuco ficou sem seu rebento
E a bandeira soltou-se do seu mastro.
Gonzagão, ao partir, deixou um lastro
Tão divino que o Sol se ofuscava,
Quando a morte o levou no céu brotava,
Em um vaso de luz, mais uma flor...
Em um leito, sentindo muita dor
Ao invés de gemer, ele aboiava.

Bandeira Junior